-  

Camilo Santana acompanha caso de explosão em empresa de oxigênio e atrasa anúncio do novo decreto

O governador Camilo Santana (PT) acompanha do Palácio da Abolição os danos causados pela explosão na unidade da empresa de oxigênio White Martins, em Fortaleza, hoje (24). Ele está reunido com o secretário de Saúde, Dr. Cabeto, monitorando a situação. O anúncio do novo decreto, previsto para ocorrer pela manhã, foi adiado, ainda sem horário para ocorrer, porém mantido para este sábado.

Foto: Helene Santos
  -  

Vereador vai à Justiça para tentar liberar academias em Fortaleza ainda nesta semana

O vereador Danilo Lopes (Podemos) ajuizará um pedido de liminar para que atividades físicas ao ar livre e academias sejam reconhecidas como essenciais em decreto municipal de Fortaleza. O parlamentar argumenta que já existe uma lei nesse sentido e que a ação na Justiça pedirá a regulamentação do texto. O atual decreto estadual ainda não libera as atividades.

Foto: Camila Lima
  -  

Análise: com município do interior em lockdown, Camilo prepara renovação de decreto estadual

A alta de casos de Covid-19 no interior do Ceará e consequente sobrecarga da já fragilizada estrutura de saúde local levou Mombaça a decretar lockdown, nessa quarta-feira (24). A previsão é que mais municípios adotem a medida. Enquanto isso, o governador Camilo Santana estuda medidas de contenção para renovar o decreto estadual nos próximos dias. Leia análise.

  -  

MPCE recomenda que Prefeitura de Caucaia não flexibilize normas no decreto de Carnaval

O Ministério Público do Ceará (MPCE) recomendou nesta segunda (15) que o prefeito de Caucaia, Vitor Valim (Pros), “se abstenha, imediatamente, de praticar qualquer ato de flexibilização das normas de isolamento social impostas pelo Estado do Ceará”. Foi aberto um procedimento para apurar notícias de barracas funcionando além do horário permitido.

Foto: Thiago Gadelha
  -  

‘Isso é má-fé’, diz Acrísio Sena sobre antecipação de decretos de calamidade de prefeituras

O deputado Acrísio Sena (PT) saiu em defesa do decreto de calamidade pública do Estado, que será votado nesta quinta (11) na Assembleia, e disse que antecipar o envio da mesma solicitação pelas prefeituras é agir de “má-fé”. “Essa história é denuncismo desnecessário. Compete aos órgãos responsáveis fiscalizar o uso dos recursos público”, ressaltou.

Foto: Reprodução/Instagram
  -  

Assembleia vota prorrogação do estado de calamidade pública nesta quinta-feira

Está na pauta da Assembleia Legislativa do Ceará desta quinta-feira (11) a votação da prorrogação do decreto de abril de 2020 que estabeleceu estado de calamidade pública no Estado. O texto, com parecer favorável, tira a obrigação do Ceará de cumprir as metas fiscais enquanto vigorar a medida.

Foto: Fabiane de Paula
  -  

‘Consequências devastadoras’: Em ofício, Eduardo Girão pede a Camilo revisão de decreto estadual

O senador Eduardo Girão (Podemos) enviou, nesta sexta-feira (5), ofício ao governador Camilo Santana (PT) em que solicita a revisão do limite de horário imposto por decreto estadual a estabelecimentos como bares e restaurantes em Fortaleza. O parlamentar argumenta que medidas do tipo podem “gerar consequências devastadoras, como causa de aumento do desemprego”.

Foto: Agência Senado
  -  

Denis Bezerra defende renovação de decreto estadual e diz que medidas mais duras buscam impedir mais mortes

O deputado federal Denis Bezerra (PSB) também demonstrou apoio à renovação do decreto estadual, que mantém o isolamento social no Ceará, além do endurecimento das regras em Fortaleza. “Concordo com renovação, inclusive, com o endurecimento das medidas, ainda mais neste momento em que estamos alcançando o pico de disseminação da doença. Elas buscam impedir que mais vidas sejam perdidas“.

Foto: Natinho Rodrigues
  -  

‘Sou uma base independente’, diz Dra. Silvana sobre divergências quanto a medidas de isolamento

“Sou uma base independente, faço situação para representar os interesses do meu povo, que é da igreja. Fui reclamar com o governador para abrir as igrejas. No comitê de crise não tem um representante da fé. Até agora não fui atendida. Estou magoada.”

Dra. Silvana (PL), sobre cobranças ao Governo do Estado para incluir templos religiosos no decreto que autoriza a abertura de serviços essenciais.

Foto: Junior Pio