-  

Autor da lei que prevê academias como essenciais diz que regulamentação resulta de “ação coletiva”

O vereador Danilo Lopes (Podemos) comemorou a regulamentação, pela Prefeitura de Fortaleza, de projeto de sua autoria que classifica academias como serviços essenciais em períodos de calamidade pública. Ele ressaltou que foi resultado de uma “ação coletiva” dos vereadores de Fortaleza e disse desejar “que a lei seja aplica o mais rápido possível”.

Foto: Érika Fonseca
  -  

Após regulamentação de igrejas como essenciais, Ronaldo Martins ressalta “papel fundamental” das instituições

Com a regulamentação do projeto de lei de sua autoria, que torna essenciais igrejas e templos religiosos em Fortaleza, o vereador Ronaldo Martins (Republicanos) ressaltou que as instituições “têm um papel fundamental na vida espiritual e social das pessoas”. A proposta foi aprovada em fevereiro e teve regulamentação publicada nesta quinta-feira (22).

Foto: Érika Fonseca
  -  

‘É uma falta de respeito com o vereador’, diz Danilo Lopes sobre projeto engavetado na Câmara

“Faz uma semana que foi votado, aprovado por unanimidade a redação final e não foi enviado ainda para o prefeito para veto ou sanção. (…) É uma falta de respeito com o vereador”

Vereador Danilo Lopes (Podemos) sobre projeto que reconhece a prática de atividades físicas em estabelecimentos privados como essencial. A matéria não saiu da Câmara.

  -  

Câmara aprova projeto que reconhece atividade física em estabelecimentos privados como essencial

A Câmara Municipal de Fortaleza aprovou, nesta quarta-feira (24), a redação final do projeto de lei do vereador Danilo Lopes (Podemos) que reconhece a prática de atividade física em espaços públicos e estabelecimentos privados da Capital como essencial. Demanda de segmentos, a matéria ainda precisa da sanção do prefeito José Sarto (PDT).

Foto: Camila Lima
  -  

‘Sou uma base independente’, diz Dra. Silvana sobre divergências quanto a medidas de isolamento

“Sou uma base independente, faço situação para representar os interesses do meu povo, que é da igreja. Fui reclamar com o governador para abrir as igrejas. No comitê de crise não tem um representante da fé. Até agora não fui atendida. Estou magoada.”

Dra. Silvana (PL), sobre cobranças ao Governo do Estado para incluir templos religiosos no decreto que autoriza a abertura de serviços essenciais.

Foto: Junior Pio