-  

“Vou continuar agindo da mesma forma”, diz Camilo Santana após ameaça de morte

“Vou continuar agindo da mesma forma, estou com a consciência em paz, tudo é para proteger a vida. Prefiro falhar no excesso do que na omissão; continuarei firme nas medidas necessárias”.

Governador Camilo Santana (PT), em live na noite desta segunda-feira (29), sobre ameaça de morte recebida em meio à pandemia, em investigação pela Polícia Civil.

Foto: Fabiane de Paula
  -  

“A saúde e a vida da nossa gente em primeiro lugar”, diz Cid Gomes sobre lockdown em Fortaleza

O senador Cid Gomes (PDT) se posicionou, nesta quinta (4), sobre o lockdown que inicia em Fortaleza a partir desta sexta (5). “Diante do aumento do número de casos e do iminente colapso dos sistemas de saúde, é a medida correta para conter o avanço da Covid-19. A saúde e a vida da nossa gente em primeiro lugar!”, escreveu nas redes sociais.

  -  

Girão classifica lockdown como ‘única alternativa’, mas critica Governo do Estado: ‘não construiu uma saída’

“Uma decisão tão radical como essa é a única alternativa em situações de total descontrole em meio ao colapso do sistema de saúde, que já era previsto, e, ainda assim, o Estado do Ceará não construiu uma saída. Faltou fazer o ‘dever de casa’ e agora não temos outra alternativa”.

Senador Eduardo Girão (Podemos), sobre o lockdown em Fortaleza. Ele disse que, “como consequência, será agravada a já crítica situação social e econômica do povo cearense”.

  -  

Com novo decreto rígido na Capital, Câmara Municipal deve fechar e votações serão virtuais

Com o novo decreto de lockdown na Capital, a Câmara Municipal deve ser fechada a partir de sexta (5), e as votações deverão ocorrer de forma virtual. É o que projetam vereadores. A resolução da Câmara determina votação presencial ou virtual, mas o decreto proíbe o funcionamento de atividades não essenciais pelos próximos 15 dias.

Foto: Natinho Rodrigues
  -  

Decreto de lockdown é tema de embates entre base e oposição na Câmara Municipal de Fortaleza

O decreto de lockdown em Fortaleza, anunciado nesta quarta (3) pelo governador Camilo e o prefeito Sarto, gerou embates na Câmara Municipal. Enquanto a base defendeu a medida diante do aumento no número de casos e de ocupação de leitos nos hospitais, parte da oposição criticou os impactos na economia e criticou a assistência prestada nas UPAs.

Foto: Alessandra Castro