-  

Cid Gomes diz ser “pessoalmente” contra o impeachment de Bolsonaro

O senador Cid Gomes (PDT) afirmou, em entrevista ao UOL nesta segunda-feira (15), ser pessoalmente contra o impeachment de Jair Bolsonaro. Segundo ele, “a democracia, para se reorganizar, tem que aguentá-lo”. Cid ressaltou que, no entanto, é possível que o impedimento passe a se justificar caso sejam comprovados crimes graves do presidente.

  -  

‘Impeachment é extremo; remédio para governo ruim é pressão popular’, diz Camilo sobre possível abertura de processo contra Bolsonaro

“Eu acho que remédio para governo ruim é pressão popular. Impeachment é o extremo e precisa ter motivos legais, como diz a Constituição. E daqui a dois anos e meio nós temos uma eleição. É muito ruim um impeachment para o Brasil”.

Governador Camilo Santana, ao defender que esse não é o momento para um processo de impeachment no País.

Foto: Helene Santos
  -  

Com pouca presença de público, manifestação pede impeachment de Gilmar Mendes na Praça Portugal

Organizada por cinco grupos de direita de Fortaleza,  manifestação deste domingo na Praça Portugal aderiu ao movimento “Brasil contra Gilmar Mendes”, que pede o impeachment do ministro do STF. O protesto reuniu apenas algumas dezenas de pessoas. “O chamamento foi feito muito em cima da hora”, justificou o jornalista Roberto Barros, um dos organizadores.

Foto: Flávio Rovere
  -  

“Todo impeachment gera traumas”, diz Rodrigo Maia ao concordar com análise de Tasso

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), disse, ontem, no programa Roda Viva, da TV Cultura, que a afirmação do senador cearense Tasso Jereissati (PSDB) de que o País “ainda paga um preço” pelo impeachment de Dilma (PT), não foi um mea-culpa. “Está dizendo o óbvio: todo impeachment gera traumas”.

Foto: Câmara dos Deputados