Foto: Reprodução/Facebook

Governador sanciona leis que modificam gestão da Saúde no Ceará

Camilo Santana (PT) assinou, hoje (30), no Palácio da Abolição, as leis que criam as cinco regionais de Saúde no Estado e definem a nova estrutura organizacional da Secretaria da Saúde. A ideia, pensada pelo secretário Dr. Cabeto, é criar um novo modelo de gestão pública na Saúde. Deputados estaduais acompanharam o evento.

Foto: José Leomar

Deputados já apresentaram 16 emendas ao projeto de reestruturação da Saúde

Os deputados estaduais protocolaram até agora 16 emendas – sugestões de mudanças – a um dos dois projetos de lei que regulamentam a Plataforma de Modernização da Saúde, em tramitação na Assembleia Legislativa. O complexo projeto, patrocinado pelo secretário de saúde Dr. Cabeto, é alvo de questionamentos dos parlamentares, que querem dar a sua “cara”.

Foto: Foto: Natinho Rodrigues

Deputada quer barrar emendas com interesses políticos ao projeto de reestruturação da Saúde

Para a deputada Dra. Silvana, presidente da comissão de Saúde da Assembleia,  o projeto de reestruturação da área, tocado pelo secretário Dr. Cabeto, em tramitação na Casa, deve ser pouco modificado. Ela disse que vai trabalhar para barrar emendas com ingerência política. “Se eu vir que desvirtua o projeto, eu peço vista, eu voto contra e trabalho contra”.

Dr. Cabeto vai à Assembleia na terça (27) para apresentar ações da Saúde aos deputados

O secretário da Saúde, Dr. Cabeto, está empenhado em “debater dados técnicos” e apresentar a Plataforma de Modernização da Saúde aos deputados estaduais. Para isso, levará a advogada sanitarista Lenir Santos, que participou da elaboração da Lei do SUS, à reunião técnica na Assembleia já na próxima terça (27), pouco mais de uma semana depois de apresentar um conjunto de ações para a área. Leia entrevista com ele no Diário do Nordeste.

Estado fará seleção pública para contratar 7 mil profissionais de Saúde

É ambicioso o plano de Modernização da Saúde tocado pelo secretário Dr. Cabeto. A proposta deve elevar em 20% o gasto anual do Estado na área e promover grande seleção pública para contratação de 7 mil profissionais de Saúde, sendo 3 mil médicos e mais quatro mil outros especialistas na área. O Estado quer concluir a seleção em seis meses.