-  

Justiça Eleitoral do Ceará adota canal próprio para denúncias de propaganda eleitoral irregular online

A Corregedoria Regional Eleitoral (CRE) do Ceará restringiu o Formulário Eletrônico de Denúncias, disponibilizado pelo Tribunal Regional Eleitoral no estado (TRE-CE), às denúncias de propaganda eleitoral irregular na internet. Infrações em suportes que não sejam o online devem ser informadas ao TSE, por meio do aplicativo Pardal.

  -  

TRE-CE pede que eleitor denuncie disparos em massa de propaganda eleitoral no WhatsApp

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-CE) publicou nas redes sociais uma mensagem de alerta aos cearenses sobre como agir caso receba disparos em massa de propaganda eleitoral no telefone celular pessoal através da ferramenta WhatsApp. A prática é ilegal. Para denunciar, a Corte orienta que o eleitor acesse o site do TSE na aba de Eleições 2020.

  -  

Justiça bloqueia bens de ex-prefeito e secretário da Prefeitura de Juazeiro do Norte

O ex-prefeito de Juazeiro, Raimundo Macêdo, o ‘Raimundão’, e o secretário de Meio Ambiente, Luiz Ivan Bezerra de Menezes, tiveram os bens bloqueados pela Justiça. A decisão também se estende à empresa Proex, responsável pela limpeza urbana, e atingiu cerca de R$ 2,1 mihões em bens. O Ministério Público do Ceará (MPCE) denunciou o caso após constatar irregularidade em decretos de emergência.

  -  

Para combater o coronavírus, deputado quer a criação de um Disk- Aglomeração em Fortaleza

O deputado federal Célio Studart (PV) solicitou à Prefeitura de Fortaleza a criação do Disk-Aglomeração. O objetivo é que a população tenha um canal para denunciar aglomerações às autoridades, já que o isolamento, de acordo com especialistas em saúde, é uma das principais formas de combate ao avanço do coronavírus no mundo. A sugestão está em análise.

  -  

Ministério Público Eleitoral denuncia Naumi Amorim e Érika Amorim por crime eleitoral

O Ministério Público Eleitoral apresentou ao Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) denúncia contra o prefeito de Caucaia, Naumi Amorim (PSD), e a deputada estadual, Érika Amorim, por perseguição política a servidores na eleição de 2018. De acordo com a denúncia, houve coação a funcionários da gestão. Outros nomes são citados na denúncia.

Foto: José Leomar