-  

Prefeito de Granjeiro nega envolvimento na morte do antecessor e diz confiar na Justiça

O prefeito de Granjeiro, Ticiano Tomé, suspeito de envolvimento na morte do antecessor, João Gregório Neto, quebrou o silêncio, nesta tarde de sexta (10), a respeito do crime. Ticiano nega qualquer envolvimento no assassinato e diz que “estão tentando  destruir a mim, minha família e minha administração”. O gestor diz confiar na Polícia e na Justiça.

Foto: Divulgação
  -  

Aprece defende rápida elucidação e punição aos envolvidos na morte do prefeito de Granjeiro

O presidente da Associação dos Prefeitos e Municípios do Ceará (Aprece), Nilson Diniz, cobra uma rápida elucidação do assassinato do prefeito de Granjeiro, João Gregório Neto. Como é um crime que pode ter características políticas, defende ele, a resolução precisa ser rápida, “para evitar que pessoas queiram fazer justiça com as próprias mãos”, disse.

Foto: Helene Santos
  -  

Polícias Civil e Militar mantêm buscas pelos suspeitos da morte do prefeito de Granjeiro, diz Secretaria de Segurança

A Secretaria da Segurança Pública informou, nesta noite, que as Polícias Civil e Militar mantêm as buscas pelos suspeitos da morte do prefeito de Granjeiro, João Gregório Neto, o João do Povo (foto). “Diversas pessoas prestaram depoimento desde o dia do crime. Mais informações serão divulgadas em momento oportuno para não comprometer o andamento das investigações”.

Foto: Instagram/Prefeitura de Granjeiro
  -  

Posse de vice-prefeito de Granjeiro é marcada para esta sexta-feira (27)

A posse do vice-prefeito de Granjeiro, Ticiano Tomé (PSDB), como chefe da Prefeitura foi marcada para esta sexta (27), às 15h. Segundo o presidente da Câmara Municipal, Luiz Márcio Pereira, a cerimônia iria ocorrer na segunda (30), mas foi antecipada devido à “necessidade”. Tomé assume após o prefeito da cidade do Cariri, João Gregório Neto, ser assassinado.

  -  

Morte de criança no Rio coloca excludente de ilicitude em xeque; cearense quer debate

A “excludente de ilicitude”, medida que visa proteger policiais que matam criminosos em situação de confronto, em legítima defesa, está entre as medidas propostas no pacote anticrime em discussão na Câmara.  Para Capitão Wagner (PROS), o termo precisa de “tratamento cuidadoso e amplo debate“. A medida está em xeque após morte de criança no Rio.

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado